Mitos e Verdades sobre o Câncer de Mama – Outubro Rosa

Dicas da Maia. Josi Maia Fala comigo Brasil! 

OUTUBRO ROSA

Como estamos no mês de Outubro, mês onde “comemoramos” o Outubro Rosa, lembramos sobre a Prevenção ao Câncer de Mama e de Colo de Útero, eu não poderia deixar de trazer algumas dicas sobre Mitos e Verdades que ouvi e li durante minha pesquisa sobre o tema.

CLIQUE NO VÍDEO ABAIXO PARA UM RESUMO DOS MITOS E VERDADES.

MITOS E VERDADES CANCER DE MAMA OUTUBRO ROSA

 

MITOS E VERDADES

 

O autoexame é importante para o diagnóstico precoce.

Verdade. O autoconhecimento é essencial para que, diante de qualquer alteração em suas características físicas, você recorra ao médico para melhor avaliação e diagnóstico. Entretanto, como explicado antes, apenas o acompanhamento com o especialista e a mamografia são, de fato, capazes de fazer um diagnóstico precoce preciso. 

O autoexame é a melhor forma de prevenção.

Mito. O autoexame não previne câncer de mama. O maior fator de risco, diz a especialista, é sermos mulheres e envelhecermos diariamente. E a idade de maior incidência do câncer de mama é a partir dos 40 anos, com ápice entre 50 e 60. Portanto, a prevenção passa pela dica simples e certeira de ter uma vida saudável, praticar exercícios físicos e manter os exames e visitas ao médico em dia.

Fumar aumenta os riscos de se desenvolver câncer de mama.

Mito. O tabagismo é um fator de risco para o surgimento de vários tipos de câncer. No caso do câncer de mama não é diferente. O fumo ainda piora os resultados do tratamento caso a paciente mantenha o hábito após o diagnóstico.

Ninguém na minha família tem câncer de mama. Por isso não corro risco de desenvolver a doença.

Mito. Nenhuma mulher está imune ao câncer de mama. O câncer de mama é resultado de mutação genética, que pode ser herdada ou, o que ocorre na grande maioria dos casos, espontânea. Uma mutação espontânea pode ocorrer em uma célula do corpo ao longo da vida e ocasionar a doença, no entanto não se sabe com precisão se essas mutações ocorrem devido ao estilo de vida, alterações químicas no corpo da mulher ou à exposição a toxinas no ambiente, por exemplo. Apenas 10% dos casos de câncer de mama são hereditários.

Algumas mulheres da minha família tiveram câncer de mama. Por isso, corro mais riscos.

Verdade. Apesar de todas as mulheres estarem sujeitas a desenvolverem a doença, quem têm mãe, irmã ou filha com câncer de mama tem um risco muito maior para a neoplasia, especialmente se o tumor for descoberto na parente antes da menopausa. Nesse caso, a mulher deve iniciar os exames das mamas dez anos antes da idade que o câncer de mama surgiu na familiar. É possível realizar o exame genético para verificar a presença de mutação genética nos genes BRCA1 e BRCA2, que aumentam em cerca de 85% as chances de se desenvolver o câncer de mama e de ovário. Este exame, no entanto, não está disponível na rede pública. A FEMAMA é proponente de projetos de lei para incluir o exame no SUS, hoje disponível para pacientes com plano de saúde.

O câncer de mama sempre aparece como um caroço.

Mito. O aparecimento de um caroço ou nódulo é uma das formas como o câncer de mama se apresenta. Porém existe outra forma mais comum: a microcalcificação. A mamografia pode identificar uma microcalcificação quando ela tem a partir de 1 milímetro. Exames de toque identificam a calcificação apenas quando esta já tem mais de 1,5 centímetro.

Além desses sintomas, existem outros que podem indicar câncer de mama, entre os quais inversão ou descamação do mamilo, presença de secreção pelo mamilo, inchaço e vermelhidão da mama, irritação, retração da pele ou aparecimento de rugosidade.

Todo caroço na mama é câncer.

Mito. Um caroço na mama não necessariamente significa que você tem câncer. Grande parte dos nódulos mamários encontrados são adenomas benignos ou proliferação de células da glândula mamária e não estão relacionados com a doença. Existem ainda os falsos nódulos ou cistos, que nem mesmo são sólidos e não representam ameaças. De qualquer forma, a descoberta de um caroço no seio é motivo suficiente para que a mulher procure seu médico. Mesmo um nódulo benigno pode exigir acompanhamento para que não cresça e, caso se confirme o câncer, quanto mais cedo o tratamento for iniciado, maiores serão as chances de cura.

Se eu fizer o autoexame regularmente, não preciso de outros exames.

Mito. O autoexame não substitui a mamografia ou o exame clínico (de toque) realizado pelo médico. Ele serve apenas para o autoconhecimento, para que a mulher procure rapidamente um especialista caso identifique alterações suspeitas em suas mamas. Trata-se de uma ação complementar. Independente da realização do autoexame, as mulheres devem fazer a mamografia anualmente a partir dos 40 anos. Antes disso, devem realizar o exame clínico das mamas pelo ginecologista ou mastologista e, caso necessário, outros exames que este solicite. A mamografia é a principal forma de diagnóstico precoce, o que permite maiores chances de cura.

A biópsia do câncer de mama pode causar metástase.

Mito. A biópsia não provoca metástase. Trata-se de um exame necessário para o diagnóstico do câncer, no qual é feita a retirada de tecido do tumor para a análise da presença ou não de células cancerígenas. Se elas estiverem presentes, a biópsia trará informações sobre o tipo de câncer de mama apresentado pela paciente e trará informações relevantes para a escolha do tipo de tratamento a ser seguido. A metástase só ocorre quando o câncer desenvolve células capazes de se deslocar e implantar em outras partes do corpo, independente da realização deste exame.

Alguns tipos de sutiã podem causar câncer de mama.

Mito. O sutiã não interfere no desenvolvimento do câncer de mama, independente de ter ou não aro, bojo ou alças. Dormir com ou sem sutiã também não impacta nesta questão.

Existem ervas, suplementos dietéticos ou dietas especiais que podem curar o câncer.

Mito. Não existe nenhuma erva, suplemento ou dieta que cure o câncer. Quando a paciente é diagnosticada e encontra-se fragilizada, pode querer acreditar que existem alternativas mágicas ou mais fáceis para curar a doença e, assim, se deixar enganar. Porém o uso dessas substâncias pode por vezes prejudicar o tratamento. Por isso, caso a mulher deseje utilizar algum destes artifícios é muito importante antes consultar o médico, para que ele possa tirar todas as dúvidas sobre a forma como vitaminas, ervas ou outras terapias podem afetar o tratamento ou se causam algum efeito colateral. Alguns alimentos contêm propriedades que ajudam a paciente a enfrentar os efeitos adversos do tratamento e estes podem ser incorporados à sua dieta. Porém não promovem sozinhos a recuperação de nenhum tipo de câncer.

Mulheres obesas ficam mais suscetíveis à doença.

Verdade. O excesso de peso é um importante fator de risco, porque o tecido adiposo (formado por gordura) aumenta os níveis de estrogênio no organismo. Esse tecido produz ainda diversas substâncias, toxinas e fatores inflamatórios capazes de induzir a proliferação celular e, em última instância, os tumores. A obesidade é um fator de risco para vários tipos de câncer, não apenas o de mama. Além disso, pacientes obesas na pós-menopausa que já passaram pelo câncer de mama têm maior risco de recidiva (reaparecimento da doença).

Mulheres com seios pequenos não têm câncer de mama.

Mito. O tamanho dos seios não interfere no risco de se desenvolver câncer de mama, basta haver presença de tecido mamário para que a doença possa se desenvolver. Prova disso é a incidência do câncer de mama também em homens. Verdadeiros fatores de risco são a obesidade, a presença de mutação genética hereditária e o cultivo de maus hábitos, como o tabagismo e o alto consumo de álcool.

Quem inicia a menstruação muito cedo ou é mãe depois dos 30 anos tem maior probabilidade de desenvolver o câncer de mama.

Verdade. O risco para essas mulheres aumenta porque elas menstruam mais vezes ao longo da vida. A menstruação expõe a mulher aos hormônios estrogênio e progesterona, que estimulam as células da glândula mamária a ser reproduzir. Dessa forma, quanto mais menstruações pelas quais a mulher passa, maior é o risco de desenvolver câncer de mama. Além disso, quanto mais cedo ocorre a exposição a esses hormônios, maior é o risco. Por isso uma gravidez ou mais antes dos 30 anos tem potencial maior de proteger a mulher do câncer de mama.

Amamentar ajuda a proteger a mulher contra o câncer de mama.

Verdade. Cada ano de amamentação completa diminui de 3 a 4% o risco da mulher desenvolver o câncer de mama. Mulheres que amamentam por mais de seis meses têm menos chances de desenvolver a doença devido à substituição de tecido glandular por gordura nas mamas.

A terapia de reposição hormonal pode ser um fator de risco para o câncer de mama.

Verdade. A terapia hormonal costuma ser usada em mulheres na pós-menopausa para melhorar os sintomas do climatério e reduzir a osteoporose. Porém, quando o uso de estrogênio e progesterona ocorre por tempo prolongado, ele compromete as alterações que as glândulas mamárias sofrem com o avanço da idade, o que aumenta o risco de câncer de mama.

Próteses de silicone podem causar câncer de mama.

Mito. As próteses de silicone não influenciam no risco de se desenvolver câncer de mama. Os implantes podem, no entanto, prejudicar o diagnóstico precoce, ao dificultar a visualização do tecido mamário através de exames de imagem, como a mamografia e a ultrassonografia. No entanto, não há consenso científico quanto às limitações dos exames de imagem em pacientes que possuem próteses de silicone nas mamas. Por hora, é recomendado que a paciente consulte um mastologista antes da aplicação para verificar se não existem nódulos e que pacientes com alto risco para o desenvolvimento do câncer de mama, como as que têm casos próximos da doença na família, evitem a colocação das próteses.

Pílulas anticoncepcionais aumentam o risco para o câncer de mama

Mais ou Menos. A dose de estrogênio presente na grande maioria das pílulas anticoncepcionais atualmente não é suficiente para provocar aumento no risco para o câncer de mama. Esse tipo de anticoncepcional ajuda inclusive a proteger a mulher do câncer de colo de útero. Existem comprimidos que trazem uma dosagem mais alta do hormônio, que eram mais comuns antigamente e hoje são utilizados apenas para o tratamento de determinadas doenças. Apenas estes, já não utilizados com fins de contracepção, tem o potencial de aumentar o risco para o câncer de mama.

Desodorantes favorecem o aparecimento do câncer de mama.

Mito. Não há relação entre o câncer de mama e o uso de desodorantes ou antitranspirantes. Nenhum estudo comprovou que a utilização do produto, seja roll on, spray ou aerosol, favoreça o aparecimento da doença. Além disso, não há células mamárias na axila para que o câncer de mama se desenvolva a partir desta exposição.

Estresse, mágoas e raiva podem causar câncer.

Mito. Sentimentos negativos não têm o poder de provocar câncer. Não há estudos que comprovem essa relação.

Abortos induzidos ou espontâneos favorecem o aparecimento do câncer de mama.

Mito. Não existe comprovação de que ter tido um aborto no passado aumenta o fator de risco para o câncer de mama.

Praticar uma atividade física ajuda a reduzir os riscos de desenvolver a doença.

Verdade. A prática de atividades físicas é benéfica para a saúde. Pesquisas indicam que cerca de 30 minutos diários de caminhada são eficazes para a redução do risco de se desenvolver o câncer de mama.

Pancadas nos seios pode causar câncer de mama.

Mito. O trauma em geral não aumenta o risco da incidência de câncer. Uma pancada no seio pode causar um hematoma ou algum processo inflamatório, mas não aumenta o risco de tumor.

Homens não correm o risco de ter câncer de mama.

Mito. Homens também podem desenvolver a doença, mas isto é raro e, segundo o INCA, representa apenas 1% do total de casos da doença no Brasil.

Sangramento vaginal na menopausa pode ser sintoma de câncer de colo de útero.

Verdade.

O exame de Papanicolau pode identificar o câncer de colo de útero.

Verdade.

 

Esses foram alguns dos Mitos e Verdades sobre o Câncer de Mama e de Colo de Útero.

E o mais importante:

Se cuidem!!!

Para acompanhar todas as novidades em tempo real, fiquem de olho no Instagram @dicas_da_maia.

Dicas da maia

Lá eu posto dicas diariamente, challenges, makes artísticas, tutoriais, produtinhos de beleza, dicas de skincare… e sempre proponho enquetes pra saber o que vocês querem ver, nas redes sociais e também no You Tube.

Por hoje é só e até breve com mais Dicas da Maia!

 

Fontes:

Dr. Afonso Nazário, Professor Titular da Disciplina de Mastologia da EPM/Unifesp

https://www.accamargo.org.br/sobre-o-cancer/noticias/mitos-verdades-sobre-o-cancer-de-mama

https://www.iucr.com.br/post/mitos-e-verdades-cancer-colo-de-utero

Amato – Instituto de Medicina Avançada – Dra. Priscila Santos, mastologista

https://www.femama.org.br/

 

E é sempre bom lembrar, se puder, #fiquememcasa e se precisar sair, #usemascara Dicas da Maia. Josi Maia

Publicado por

DicasdaMaia

Eu sou Josi Maia, ou simplesmente, Maia, a criadora do Blog e do Canal "Dicas da Maia". Sou atriz, escritora, administro uma Cia de Teatro e sou também apaixonada por cosméticos, compras, moda, maquiagem, viagens, literatura, livros de gramática (Sim!), por navegar na Internet e descobrir novidades e lugares babadeiros. Contato: dicasdamaia@gmail.com https://facebook.com/DicasdaMaia/ https://twitter.com/Dicas_da_Maia https://www.instagram.com/dicas_da_maia/ https://www.linkedin.com/in/dicasdamaia/ https://br.pinterest.com/dicas_da_maia/

Um comentário sobre “Mitos e Verdades sobre o Câncer de Mama – Outubro Rosa”

Vamos conversar? Deixe seu comentário...

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s